Meio ambiente preservado ajuda a manter saúde das pessoas

Morar perto de parques, praças e lugares próximos à natureza colabora mais para a qualidade de vida do que se imagina. Um estudo comprova que o meio ambiente preservado ajuda a manter a saúde das pessoas, reduzindo estresse, controlando a glicose e a pressão arterial. Associado a isso é importante manter uma alimentação equilibrada.

O estudo, desenvolvido por pesquisadores da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), faz parte do projeto Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (Elsa). Foram analisados 15.105 servidores públicos de Belo Horizonte e São Paulo para verificar as influências do meio ambiente na vida cotidiana deles.

A constatação foi clara: um meio ambiente preservado, que mantém árvores, plantas, flores, áreas de parques e praças colabora para o bem-estar das pessoas como um todo. E o complemento vem da alimentação baseada em frutas e hortaliças. Esse conjunto de fatores diminui a poluição atmosférica e sonora, além de incentivar a interação social.

Definição de estratégias

O professor José Geraldo Mill, coordenador do estudo, diz que o objetivo da pesquisa é identificar meios para indicar caminhos para as políticas públicas de prevenção de doenças crônicas, como hipertensão, diabetes e obesidade.

“A recomendação para prevenir essas doenças são bem conhecidas: alimentação adequada, atividade física e redução do estresse. A melhor atividade física é aquela feita ao ar livre. Para isso, a preservação das áreas livres nas cidades é fundamental.”

O professor ressalta que: “A preservação desses espaços é política pública essencial para a saúde da população”.

O estudo

O estudo revela que o ambiente em que as pessoas moram pode influenciar na adoção de hábitos mais saudáveis, como alimentação adequada e exercício físico.

Morar próximo a locais de venda de frutas e hortaliças, por exemplo, favorece a adoção de alimentação equilibrada.

Os resultados da pesquisa mostram 48% maior chance de consumo de frutas duas ou mais vezes por dia e 47% maior chance de consumo de hortaliças diariamente.

O estudo diz ainda que quem mora em locais onde há praças e parques na vizinhança faz mais atividade física.

As áreas verdes nas cidades abrangem os parques, praças, zoológicos, jardins e as árvores, arbustos nas ruas, canteiros, calçadas e quintais contribuem para a diminuição da poluição atmosférica e sonora e atuam como espaços para a prática de atividade física e interação social.

Efeitos práticos

Pela pesquisa, dos servidores analisados em São Paulo, por exemplo, 64% disseram não ter acesso a qualquer parque em um raio de um quilômetro da residência.

Aqueles que conseguiam estar próximos desses locais apresentaram 12% menos chances de apresentarem pressão arterial elevada.

Em Belo Horizonte, os moradores analisados que viviam em locais com mais árvores tinham 49% menos chances de obesidade.

Na pesquisa, os cientistas são categóricos: “Esses dados são muito importantes porque mostram a importância do planejamento do espaço urbano como uma intervenção do poder público na área da saúde coletiva. Cabe ao poder público regulamentar a ocupação do solo, preservando áreas livres onde as pessoas possam passear e praticar exercícios”

Fonte: Só Notícia Boa.

Foto: Pixabay..

Seja o primeiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *