O que é o IPCC e por que os alertas por eles emitidos são preocupantes?

O IPCC é a sigla em inglês para Intergovernmental Panel on Climate Chance (ou Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas). Ele foi criado em 1988 pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente e pela Organização Meteorológica Mundial com o objetivo de sintetizar e divulgar o conhecimento mais avançado sobre as mudanças climáticas. Nesta época, já havia preocupação sobre o tema aquecimento global. Muitos estudos a respeito estavam sendo desenvolvidos.

O IPCC não produz pesquisa original, mas reúne, avalia e interpreta o conhecimento produzido por cientistas de alto nível – tanto os independentes quanto aqueles ligados a organizações e governos – e traduz em relatórios abrangentes, de fácil compreensão e acessíveis para todos.

O IPCC elabora Relatórios de Avaliação abrangentes sobre o estado da arte científico, técnico e socioeconômico da mudança do clima, seus impactos e riscos futuros e das opções para reduzir a taxa na qual as mudanças climáticas estão ocorrendo.

Hoje, o IPCC define seu papel como sendo avaliar a informação científica, técnica e socioeconômica relevante, para melhor compreender os riscos associados às mudanças climáticas, os possíveis impactos e as opções disponíveis de mitigação e adaptação.

As avaliações do IPCC são relevantes para as políticas, mas não são prescritivas: podem apresentar projeções de mudanças climáticas futuras com base em diferentes cenários e os riscos que as mudanças climáticas representam e discutem as implicações das opções de resposta, mas não informam aos formuladores de políticas quais ações devem ser tomadas.

O principal órgão deliberativo do IPCC é o Painel, composto por representantes governamentais de todos os 195 países membros. Aproximadamente uma vez por ano, o Painel se reúne em sessões para tomar decisões a respeito da entidade e suas atividades.

Um conjunto de mais de 30 membros é eleito pelo painel para exercer os cargos do Gabinete, incluindo, entre outros, o Presidente, Vice-Presidentes, Co-Presidentes e Vice-Presidentes das forças-tarefa e dos grupos de trabalho. O trabalho é não remunerado e lida com a administração da entidade e a orientação do Painel quanto aos aspectos científico e técnico.

Um Comitê Executivo tem como responsabilidade zelar pela implementação efetiva e dentro do prazo das atividades do IPCC. Ele também coordena a integração entre os diferentes grupos de trabalho e forças-tarefa, além de tratar de questões urgentes que demandam resposta mais imediata.

O Painel está dividido em três grupos de trabalho e uma força-tarefa:

  • Grupo I se concentra no tema clima
  • Grupo II trata dos impactos das mudanças de clima e possíveis soluções.
  • Grupo III estuda as dimensões econômica e social dos efeitos da mudança climática.

Os relatórios do IPCC passam por várias rodadas de redação e revisão para garantir que sejam abrangentes e objetivos e produzidos de maneira aberta e transparente.

Em 2007, o IPCC e o ex-vice-presidente dos Estados Unidos Al Gore receberam o Prêmio Nobel da Paz por seu trabalho de difusão do conhecimento sobre o aquecimento climático e sobre as medidas necessárias para limitá-lo.

O IPCC já publicou cinco grandes relatórios de avaliação. Em 2021 começou a ser publicado o sexto relatório, o AR6. O documento lançado nesta segunda-feira (28) é a segunda parte do AR6.

Fontes: Ciência Clima, G1, Ecycle, WRI, Ipea.