Vikings saíram da Groenlândia em razão de seca prolongada

Os vikings fizeram história com os avanços que lograram na arte da construção naval ao seu tempo. Eles ‘inventaram’ um barco até hoje admirado por suas qualidades marinheiras, o drakkar. Foi com ele que se aventuraram até onde a imaginação alcança.

Feito de toras de carvalho, o drakkar podia levar até 40 tripulantes. Seu nome deriva das cabeças de dragão esculpidas em madeira, colocadas na proa da embarcação para aterrorizar os inimigos.

Graças ao costume de enterrar reis com seus barcos, recentemente encontraram mais um drakkar com cerca de mil anos. Os vikings não foram os primeiros a usar o medo como artimanha. Os fenícios já o faziam desde antes de Cristo.

Mas, com o drakkar, os vikings se expandiram da Groenlândia até o Mar Negro, situado entre a Europa, o Cáucaso e a Anatólia; para não falar na Islândia, Groenlândia e América; ou as expedições guerreiras do Canadá até o Iraque. Mas, um novo estudo mostra que os vikings saíram da Groenlândia em razão de uma seca prolongada.

Os vikings se fixaram na Groenlândia por volta de 950 d.C.

Ao que parece, a ideia era que uma parte deles se estabelecesse por lá. E até agora não se sabia o motivo de sua saída. Até que um novo estudo realizado por um grupo de cientistas da Universidade de Massachusetts Amherst (UMass) e outras instituições, publicado na Sciences Advances, sugere que foi, de fato, uma seca prolongada que levou ao rápido desaparecimento dos vikings da Groenlândia.

Eles operaram entre os séculos 8 e 11 d.C e se estabeleceram em partes da Europa (até o Reino Unido), norte da África e área do Mar Mediterrâneo. Os vikings também viajaram até a América do Norte e a Ásia Ocidental, e foram os primeiros a chegar ao arquipélago dos Açores.

Erik, o Vermelho, na Groenlândia

De acordo com a lenda islandesa, o explorador, Erik, o Vermelho, navegou para o oeste por volta de 985 d.C. Por mais de 450 anos estes  colonos nórdicos  viveram  no sul da Groenlândia.

Sabemos que os vikings da Groenlândia se estabeleceram em dois lugares e que esses assentamentos persistiram por 400-450 anos, mas ninguém jamais provou por que eles saíram e nunca mais voltaram.

O novo estudo: vikings saíram da Groenlândia em razão de seca prolongada

Boyang Zhao, paleoclimatologista da Universidade de Massachusetts, e colegas, analisaram a lama do fundo de um lago no sul da Groenlândia em busca de pistas sobre o clima que os colonos nórdicos experimentaram durante seu tempo lá, entre cerca de 985 e 1450 d.C.

O lago fica dentro de um dos dois assentamentos (o assentamento oriental), perto de um aglomerado de ruínas de pedra que já foram casas nórdicas e estábulos de vacas.

Bioquímica das bactérias no lago muda em resposta à temperatura

Em 2021, a equipe mostrou que a bioquímica das bactérias no lago muda em resposta à temperatura. Para o novo estudo, eles extraíram os restos de micróbios mortos há muito tempo das camadas de lama no leito do lago, que dataram com radiocarbono.

Ao rastrear as mudanças na química bacteriana ao longo do tempo,  reconstruíram as temperaturas passadas. Embora as temperaturas tenham flutuado durante o período de ocupação, os pesquisadores não encontraram nenhuma tendência de resfriamento a longo prazo.

De acordo com o estudo, os dados sobre a disponibilidade de água contaram uma história diferente. Para examinar esse recurso, a equipe analisou isótopos de hidrogênio nos restos de plantas enterradas na lama do lago. Quando as plantas perdem água por evaporação em clima seco, suas folhas ficam enriquecidas em um isótopo de hidrogênio pesado, o deutério.

Clima da Groenlândia tornou-se progressivamente mais seco durante o período nórdico

Ao medir o conteúdo de deutério de restos de folhas de camadas na lama, os pesquisadores descobriram que o clima do sul da Groenlândia tornou-se progressivamente mais seco durante o período nórdico. Com as secas mais comuns, os nórdicos seriam incapazes de cultivar grama suficiente para evitar que seu gado passasse fome durante os longos e frios invernos, diz Zhao.

É certamente crível que os nórdicos tiveram que lidar com a seca, diz Thomas McGovern, arqueólogo do Hunter College. “Escavamos em fazendas nórdicas e descobrimos evidências de canais de irrigação para capturar água e espalhá-la por uma ampla área.”

Agricultores modernos na Groenlândia também lidam com a escassez de água, diz Zhao, que conversou com os moradores locais enquanto estava no campo.

“Perguntei a eles: Qual é o desafio mais importante para vocês hoje? Eles disseram que, se não chover o suficiente no verão, não terão grama suficiente para alimentar seus animais”.

Secas severas atingiram a Groenlândia nos últimos anos

Várias secas severas atingiram a Groenlândia nos últimos anos. “Por volta de 2015 estava muito seco – choveu em junho e depois veio a seguinte em agosto”, diz Elna Jensen, que cultiva terras perto de Narsaq, na Groenlândia, perto do lago que a equipe de Zhao estudou.

Mas a agricultura nórdica e moderna são diferentes, adverte Christian Madsen, vice-diretor do Museu e Arquivo Nacional da Groenlândia. Por exemplo, muitos agricultores modernos drenaram e fertilizaram suas terras para melhorar a produtividade, o que deixa a terra mais vulnerável aos efeitos da seca.

Carne de foca como alimento

Também é importante perceber que os nórdicos tentaram se adaptar ao ambiente em mudança na Groenlândia, diz McGovern. Evidências arqueológicas mostram que eles começaram a consumir mais alimentos marinhos, incluindo carne de foca, à medida que a agricultura se tornou mais difícil.

Caçadas de morsas em busca de marfim

Eles desapareceram de qualquer maneira, e McGovern argumenta que fatores sociais também podem ter desempenhado um papel fundamental. Os nórdicos empreenderam longas e perigosas viagens às águas do noroeste da Groenlândia, onde caçavam morsas em busca de marfim para vender no mercado europeu.

O marfim era uma fonte de riqueza e poder para as elites locais, mas ao tirar uma parte da população trabalhadora da produção de alimentos, à medida que as condições se deterioravam, a caça às morsas pode ter ajudado a condenar o assentamento.

Fonte; Mar Sem Fim.

Um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.